terça-feira, 15 de outubro de 2013

Amigos e Amantes

"Os amigos. Entrariam por uma casa em chamas para nos salvarem. Mentem por nós à nossa própria mãe. Sabem de nós mais do que somos capazes de lhes dizer. Jurariam que à hora do crime estávamos a tomar chá com eles. Mesmo que a polícia nos encontrasse com as mãos cheias de sangue. "São rosas, senhores. Sangue de espinhos, senhores."
Eles exigem-nos coisas de nada. As nossas lágrimas. O nosso lenço de assoar. A pele dos nossos inimigos. As batatas fritas do nosso bife. A nossa melhor roupa, por uma noite. Exigem-nos tudo o que nos dão. É preciso regá-los regularmente: é nos ombros deles que cai toda a água dos nossos olhos. Eles espevitam-nos o sentido de humor quando menos nos apetece. E depois ficam connosco quando as luzes se apagam e toda a gente se foi embora. Só aos amigos é dado o espectáculo da nossa miséria.
A paixão é uma fatalidade fácil. Uma aparição divina, só. Não há maneira de a prender para toda a vida. Por isso a embrulhamos no áspero papel da amizade. Para preservar e esquecer.
À paixão aceitam-se confissões de ciúme, vorazes de posse. À amizade não. Somos capazes de confessar tudo aos nossos amigos menos essa insegurança que nos mói."

Inês Pedrosa, A Instrução dos Amantes, Pub. Dom Quixote, lisboa, 2002.

Edmund Blair Leighton, God Speed, 1900.

2 comentários:

  1. Minha Linda Mulher,
    Adoro o teu blogue. Tens feito um óptimo trabalho. Estou muito orgulhoso.
    Amo-te... Beijos

    ResponderEliminar